01/11/2017

Mato Grosso terá chuvas abaixo da média em regiões produtoras, segundo Imea

Veja o mapa com a previsão de precipitação acumulada:

Apesar das recentes chuvas no Centro-Oeste do Brasil, o plantio no Mato Grosso tem sido bastante heterogêneo e a tendência para novembro é de precipitações abaixo da média dos últimos cinco anos em algumas regiões do estado, segundo o Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária) com base nas previsões da Somar Meteorologia. Essas condições e previsões têm preocupado os produtores, apesar de um avanço de cerca de 18 pontos percentuais de uma semana para a outra na semeadura da oleaginosa no maior estado produtor.

 

"Na última semana a semeadura de soja da safra 17/18 atingiu 44,06% em MT, vindo acompanhada de um ritmo a campo bastante heterogêneo entre as regiões produtoras de MT. Isso se deve, principalmente, as chuvas desta safra, que vieram mais atrasada em relação à safra 16/17 e em menor quantidade. Mas, de acordo com as previsões climáticas, para novembro os volumes de chuvas tendem a aumentar, o que pode dar um folego às regiões mais atrasadas a campo", disse o Instituto em relatório na segunda-feira (30).

 

"A quantidade tende a ser abaixo da média dos últimos cinco anos na maior parte do Estado. Neste momento, as condições climáticas são uma grande preocupação aos produtores, pois a possibilidade em torno de ressemeadura de algumas áreas ganha força em algumas regiões. Além disso, a preocupação em torno da janela de semeadura da 2º safra, principalmente do milho, é outro fator de atenção. Apesar de todas as preocupações, a consolidação da safra 17/18 está em aberto", reportou o Imea.

 

Nas últimas semanas, a região Centro-Oeste vinha registrando baixos volumes de chuva, com baixas condições para o avanço do plantio de grãos no estado e alguns produtores plantando no pó. Esse cenário melhorou um pouco nos últimos dias, mas as precipitações ainda foram irregulares. De acordo com mapa de precipitação acumulada dos últimos 15 dias do Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), algumas áreas do MT já têm 250 milímetros registrados.

 

Fonte: Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária