16/11/2017

Pesquisa sobre adaptação de plantas à fotossíntese avança.

Avanço da pesquisa pode significar salto em produtividade. 

Cientistas da Universidade Wageningen, da Holanda, encontraram uma variação genética natural para a fotossíntese em plantas que permitirá reproduzir cultivos que usam fotossíntese mais efetivamente no futuro com maior produtividade e permitirá eles capturar mais CO2 no ar partir do solo. Para a universidade, isso representa um grande passo para resolver os desafios de alimentação mundial e concretizar os acordos do Clima de Paris. Liderado pelos pesquisadores Mark Aarts e Jeremy Harbinson, uma equipe de cientistas que demonstrou que a Arabidopsis thaliana tem vários genes envolvidos na adaptação às mudanças da luz das quais as plantas são expostas. O estudo foi publicado na revista Nature Communications. Um gene foi estudado em detalhe. Conhecido como Yellow Seedling 1 gene, ele foi envolvido na adaptação dos cloroplastas nas mudanças de luz. Devido a variação desse gene, alguma Arabidopsis thaliana pode aguentar um aumento de luz melhor que outras. É a primeira vez que essa variação foi encontrada na Arabidopsis thaliana, mas como os genes para fotossíntese ocorrem em quase todas as espécies de plantas, os cientistas esperam que uma variação similar possa ser encontrada em muitas outras espécies também. A descoberta mostra que é possível melhorar a fotossíntese baseada em variação genética natural, algo de que duvidava até agora. No longo prazo, a reprodução em fotossíntese melhorada pode fazer com que os cultivos produzam mais com o mesmo solo, água e nutrientes. De acordo com os pesquisadores, por outro lado, mais investigação é necessária para determinar como as adaptações das plantas e como o melhoramento da fotossíntese pode afetar o crescimento e a seleção desses vegetais.

FONTE: Agrolink